Volodymyr Zelenskyy recebe o maior aliado europeu de Putin, o primeiro-ministro húngaro Viktor Orban

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, pousou na Ucrânia para a sua primeira visita desde o início da guerra em larga escala da Rússia em 24 fevereiro de 2022. O porta-voz do governo húngaro, Zoltan Kovacs, comunicou no X nesta terça-feira (02) que “Viktor Orban chegou a Kiev esta manhã para discutir a paz europeia com o presidente Volodymyr Zelensky”.

As conversas entre os dois líderes se concentrarão nas “possibilidades de alcançar a paz, bem como nas questões atuais nas relações bilaterais húngaro-ucranianas”, acrescentou Kovacs.

Orban tem sido uma figura divisiva em relação ao apoio europeu à Ucrânia, tendo buscado regularmente  dificultar algumas iniciativas da União Europeia em apoio militar e financeiro a Kiev durante o conflito que se encontra em seu terceiro ano.

O primeiro-ministro da Hungria também tem um relacionamento próximo com o presidente russo Vladimir Putin, que frequentemente é alvo de sanções e investigações. O vínculo deles é sustentado tanto pela cooperação econômica quanto por alguns valores compartilhados.

Ambos os líderes também promulgaram políticas anti-LGBTQ e reprimiram a liberdade de expressão em seus países. A Hungria apoiou a Rússia em nível das Nações Unidas e rejeitou as sanções da União Europeia após a ordem de invasão de Putin na Ucrânia lá em 2014, depois que a Rússia anexou ilegalmente a Crimeia.

A reunião desta terça-feira acontece enquanto Orban e a Hungria assumem o controle da presidência rotativa do Conselho da União Europeia (UE), que muda a cada seis meses. Durante cada período de seis meses, o país que controla a presidência não assume o controle da agenda geral da UE, mas tem uma plataforma por meio da qual pode martelar suas próprias prioridades.

Orban assumiu o controle da presidência na segunda-feira com um apelo para “Tornar a Europa Grande Novamente”, uma referência ao slogan político de Donald Trump que alarmará muitos de seus colegas europeus que estão preparados para o possível retorno do ex-presidente dos EUA à Casa Branca, preocupados com o que isso significará para a UE.

Relações Orban-Putin mais fortalecidas com o gás turco (de origem russa)

Em 17 outubro de 2023, o presidente russo, Vladimir Putin, e seu aliado mais próximo entre os líderes da União Europeia, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, reafirmaram na terça-feira seu compromisso com os laços bilaterais em meio às tensões internacionais sobre a guerra na Ucrânia.

A Hungria, que se opôs a muitas iniciativas da UE para apoiar a Ucrânia na resistência às forças de Moscou e obtém a maior parte de seu petróleo bruto e gás da Rússia, nunca quis se opor à Rússia e está tentando salvar contatos bilaterais.

Em abril deste ano, surgiu um acordo histórico de gás da Turquia com a Hungria está dando a Budapeste uma tábua de salvação energética muito necessária — mas pode estar abrindo uma nova porta para a Rússia restabelecer seu controle sobre os sistemas de energia europeu.

A Hungria tem buscado novas fontes de gás à medida que se aproxima do fim de um acordo que fornece ao país cerca de 4,5 bilhões de metros cúbicos de gás russo a cada ano por meio de gasodutos ucranianos.

A Hungria, no entanto, precisa de novas fontes de gás. A Ucrânia insistiu que não renovará um acordo com a gigante energética estatal de Moscou, Gazprom, para deixar o gás fluir por seu território quando o acordo expirar em janeiro.

sistema de fluxo de gás russo pela Ucrânia e transferindo para nações europeias. Imagem: The National Gas Union of Ukraine

Em 1 de abril, os húngaros deram um passo em direção a exatamente isso, recebendo as primeiras entregas de gás por meio de um novo acordo com a Turquia, de acordo com o ministro das Relações Exteriores da Hungria, Péter Szijjártó.

De acordo com os termos de um contrato assinado entre a empresa estatal turca BOTA? e a MVM CEEnergy da Hungria em agosto do ano passado, o país-membro da UE receberá até 275 milhões de metros cúbicos de gás natural somente nas próximas semanas, mais do que todas as famílias húngaras usam para aquecimento e cozimento em um mês.

Para a Turquia, o pacto também representa uma chance de se tornar um “centro de gás” para toda a Europa, uma ambição que o presidente turco Recep Tayyip Erdo?an alardeou diante da inflação galopante e do crescente descontentamento público . Enquanto a Turquia atualmente fornece à Bulgária até 1,85 bilhão de metros cúbicos de gás por ano, o acordo com Budapeste é a primeira vez que a Turquia exporta gás além de seus vizinhos diretos.

Fluxo de gás turco a partir de fontes do Cáucaso para os países da Europa.

No entanto, há preocupações de que o gás que a Turquia está enviando para a Europa pode, na verdade, ser da Rússia, assim como as nações da UE trabalham para acabar com sua dependência de Moscou. A Turquia é amplamente dependente de importações e, embora seja membro da aliança militar da OTAN, Ancara se recusou a impor sanções lideradas pelo Ocidente a Moscou e prometeu aumentar seu comércio de energia com a Rússia.

A Hungria também é um dos mercados de gás mais baratos da Europa devido aos descontos nas compras de gás russo. Substituir essa rota por gás via Turquia tem sido uma opção para Budapeste há muito tempo, o que tornaria a verdadeira origem do combustível praticamente impossível de descobrir.

Mudança na postura no apoio à Ucrânia

A Hungria concordou em 12 de junho em não vetar o apoio da OTAN à Ucrânia, mas o primeiro-ministro Viktor Orbán insistiu que seu governo não forneceria fundos nem pessoal militar para qualquer esforço de assistência conjunta, e o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, aceitou a questão, sabendo que isso seria importante para uma nova aprovação de Orban na Aliança.

Essa nova postura da Hungria em não vetar, mas também não apoiar as resoluções da OTAN, foi aceita pelos membros porque a Aliança precisaria da aprovação de Orban para o novo candidato ao cargo de secretário-geral OTAN.

Espera-se que Mark Rutte, o primeiro-ministro holandês em fim de mandato, se torne o próximo chefe da OTAN após conquistar o primeiro-ministro húngaro com a promessa de não mobilizar forças de Budapeste ou gastar seu dinheiro apoiando a Ucrânia.

Viktor Orbán, o líder da OTAN visto como o mais próximo da Rússia, anunciou que havia abandonado suas objeções após discussões com Rutte, levando o atual secretário-geral, Jens Stoltenberg, a declarar que o processo de seleção terminaria “muito em breve”.

“Ao mesmo tempo, o primeiro-ministro me garantiu que a Hungria não se oporá a esses esforços, permitindo que outros aliados avancem”, disse Stoltenberg, falando ao lado de Orbán. “E ele confirmou que a Hungria continuará cumprindo todos os seus compromissos com a OTAN integralmente.”

Os aliados ocidentais da Ucrânia estão tentando reforçar o apoio militar a Kiev enquanto as tropas russas lançam ataques ao longo da linha de frente de mais de 1.000 quilômetros (620 milhas), aproveitando um longo atraso na ajuda militar dos EUA.

Como organização, a maior aliança de segurança do mundo não envia armas ou munições para a Ucrânia e não tem planos de colocar tropas no solo. Mas muitos de seus membros dão ajuda em uma base bilateral e, em conjunto, fornecem mais de 90% do suporte militar do país.

Os outros 31 aliados (exceto Hungria) veem a guerra da Rússia contra a Ucrânia como uma ameaça existencial à segurança da Europa, mas a maioria deles, incluindo Biden, tem sido extremamente cautelosa para garantir que a OTAN não seja arrastada para um conflito mais amplo com a Rússia.

Patrocinado por Google
Área Militar
Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Descubra mais sobre Área Militar

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading