HomeÁsiaA Junta de Mianmar importou US $ 15 milhões em equipamento de...

A Junta de Mianmar importou US $ 15 milhões em equipamento de radar russo em fevereiro

A Rússia continuou a apoiar o regime de Mianmar depois que um golpe militar derrubou Aung San Suu Kyi e pôs fim a uma década de governo civil

O regime militar de Mianmar importou US$ 14,7 milhões em equipamentos de radar em fevereiro, dados da alfândega russa vistos pelo The Moscow Times, o qual é responsável por este artigo.

Torre Pantsir-S1. Rostec

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, concordou em fornecer a Mianmar sistemas de mísseis terra-ar Pantsir-S1, drones de vigilância Orlan-10E e equipamento de radar durante uma visita à capital Naypyidaw em janeiro.

O acordo foi fechado uma semana antes de um golpe militar derrubar Aung San Suu Kyi e o presidente Win Myint, que pôs fim a uma década de governo civil.

Não está claro se o equipamento de radar russo que Mianmar importou em fevereiro fazia parte do acordo de janeiro. O Serviço Federal Alfandegário Russo (FCS) não respondeu a um pedido de comentário.

A Rússia continuou a apoiar o regime de Mianmar cada vez mais isolado. Durante uma visita a Yangoon no final de março, o vice-ministro da Defesa da Rússia, Alexander Fomin – que foi o primeiro oficial estrangeiro de alto perfil a visitar o país após o golpe – prometeu aprofundar a cooperação militar entre os dois países.

De acordo com os dados do Stockholm International Peace Research Institute de 2019, os gastos de Mianmar com as importações de armas russas totalizaram cerca de US$ 807 milhões na década, tornando a Rússia o segundo exportador militar para Mianmar, atrás apenas da China.

Em dezembro, dados comerciais também mostraram que a Rússia exportou US$ 96 milhões em mercadorias classificadas como “ocultas”, que geralmente são produtos relacionados à defesa.

Embora o comércio geral entre a Rússia e Mianmar permaneça mínimo, os líderes de Mianmar pediram às empresas russas que investissem no país.

Suas declarações vêm no momento em que a comunidade internacional evita cada vez mais a Junta de Mianmar por suas violações de direitos humanos.

Os EUA suspenderam um acordo comercial com Mianmar, enquanto várias empresas de Cingapura, incluindo uma empresa que vendia produtos anti-drones para a polícia de Mianmar, cancelaram seus negócios.

Mais de 500 civis foram mortos após o golpe, e o escritório de direitos humanos das Nações Unidas alertou que a situação caminhava “para um conflito total”.

A UE, que na segunda-feira introduziu uma nova rodada de sanções contra os generais de Mianmar, já havia acusado a Rússia de dificultar uma resposta internacional unida ao golpe militar de Mianmar.

A China também possui grande interesse na região. Mianmar e China concordaram formalmente em realizar um estudo de viabilidade em uma parte crucial do plano estratégico de ferrovias de Pequim para conectar a cidade de Kunming, no sul da China, e o porto de Kyaukphyu de Mianmar na Baía de Bengala.

O acesso ao porto terá um papel fundamental no movimento da China para aumentar sua presença no Oceano Índico por meio de sua Belt and Road Initiative (BRI).

The Moscow Times, Pjotr Sauer, Felipe Moretti, via Redação Área Militar


RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS



ENTRE EM NOSSO CANAL NO TELEGRAM



Área Militarhttp://areamilitarof.com
Análises, documentários e geopolíticas da área militar destinados à educação e proliferação de informações de alta qualidade.
ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

AGORA!